O que o consumo de carne estragada pode fazer com o seu corpo?

Nos último meses, a Operação Carne Fraca trouxe uma notícia ruim para os consumidores de carne brasileiros: a existência de um esquema de adulteração de carnes e derivados em grandes empresas do setor. Cabeça de porco em linguiças, carne vencida e frango misturado com papelão foram vendidos nos mercados brasileiros, usados na merenda escolar e exportados para Europa.

A grande preocupação com essa descoberta foi em relação ao que a ingestão desses produtos pode causar ao nosso organismo. O maior medo era o desenvolvimento de algum tipo de câncer, mas especialistas dizem que isso dificilmente acontecerá por causa do consumo de carnes contaminadas ou fora do prazo de validade.

Consequências do consumo de carne estragada

O que pode acontecer são infecções gastrointestinais graves causadas por bactérias. Além disso, essas bactérias também podem chegar ao intestino e causar graves casos de febre e diarreia. É possível também que as bactérias causem alguma lesão ao tecido intestinal, sendo necessária uma intervenção cirúrgica.

Para que um câncer aconteça por causa de um alimento estragado, é preciso que haja um consumo frequente e prolongado. Dessa forma, é bem improvável que isso aconteça por causa desses casos investigados pela Polícia Federal. Mesmo assim, vale lembrar que o consumo exagerado de carne vermelha e de alimentos embutidos está diretamente ligado ao aparecimento de tumores na próstata, mama, intestino e estômago.

Grupos mais vulneráveis

Crianças e idosos, por terem o sistema imunológico mais frágil, são os grupos que mais podem sofrer com o consumo de carne estragada. Nesses grupos, os quadros de diarreia e febre pode ser ainda mais graves, causando desidratação e, em casos mais extremos, até a morte.

Como saber se a carne está própria para consumo?

O mais importante é saber observar o produto. A cor é um ótimo sinal: carnes amareladas, acinzentadas ou esverdeadas não são indicadas. A textura também pode ajudar: fuja de produtos viscosos ou escorregadios. O cheiro é outro fator não deixa dúvidas, caso esteja desagradável é bem provável que a carne já esteja contaminada.

Mesmo com esses cuidados, é muito importante comer a carne bem cozida. Altas temperaturas são capazes de matar as bactérias que causam infecções, por isso o consumo de carnes malpassadas nunca é indicado.

O que fazer após o consumo de carnes estragadas

Hidratação é o mais importante, pois a água ajuda os rins e o fígado no combate às toxinas. Remédios para diminuir a acidez gástrica também podem ajudar. Caso algum sintoma mais forte apareça, é importante se consultar com um médico para decidir se é preciso o uso de antibióticos.

Se você já sentiu algum sintoma que pode ter sido causado pelo consumo de carnes em condições ruins, procure um médico. O IDigestivo, clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro, você encontra uma equipe especializada e comprometida para atendê-lo. Marque sua consulta. Você pode nos encontrar em Copacabana ou no Rio Comprido.

Como se recuperar da endoscopia

Uma alimentação ruim pode causar alguns incômodos como queimação e dores no estômago, mas sintomas como esses também podem estar ligados a questões mais graves que só podem ser identificadas através de exame clínico. O exame para reconhecer a razão desse tipo de incômodo é a endoscopia.

Como a endoscopia é feita?

A endoscopia digestiva alta é feita com um tubo sensível para analisar o esôfago, o estômago e parte do intestino delgado. O paciente é sedado para que seja realizado o procedimento, e passa todo o tempo inconsciente. O sedativo é intravenoso, e também pode ser aplicada anestesia local na garganta, de acordo com a escolha do especialista e do paciente.

O exame é feito após o paciente ficar inconsciente, com um chip que faz as capturas das imagens passando pelo esôfago, estômago e duodeno, e a exibição das imagens é feita em tempo real. O paciente não sente nenhuma dor, mas pode haver pequenos reflexos manifestados posteriormente.

Efeitos e recuperação da endoscopia

Uma vez que o indivíduo é sedado, o ideal é ter companhia para a saída do hospital, pois a concentração fica afetada e o paciente não fica tão hábil devido aos efeitos do sedativo. Após o procedimento, pode ser que ocorra dificuldade para engolir e sensação de inchaço no estômago por causa do ar que é colocado pelo endoscópio.

O ideal para recuperação é manter o repouso, visto que suas habilidades podem ser afetadas por causa dos anestésicos. Dentro de algumas horas os efeitos do sedativo passam completamente e não irão mais interferir nas suas atividades.

Endoscopia no Instituto Digestivo

Para realizar o procedimento, é importante procurar um bom profissional para que tudo ocorra em segurança. No Instituto Digestivo, clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro, localizada em Copacabana e Rio Comprido, tem os melhores especialistas para sua necessidade. Entre em contato conosco e marque uma consulta.

Cuidados para evitar hemorroidas

Elas são um assunto chato e que todo mundo costuma evitar, mas é preciso falar sobre as hemorroidas e resolver o problema antes de uma piora no quadro. Não há mistério ou motivos para se envergonhar: hemorroidas são apenas veias ao redor do ânus, que se dilatam durante o movimento intestinal e, geralmente, voltam ao tamanho normal.

O esforço repetitivo para evacuar pode dificultar esse retorno ao tamanho normal e provocar uma inflamação, causando um grande desconforto. Além da dificuldade para evacuar, outras coisas podem causar a inflamação das hemorroidas, como gravidez, diarreia, permanecer sentado por muito tempo e ter uma dieta pobre em fibras.

O tratamento pode ser clínico ou cirúrgico, dependendo do estágio da inflamação. Nos casos cirúrgicos, a hemorroida inflamada é retirada. Isso causava um pós-operatório difícil, mas hoje as técnicas para cirurgias no aparelho digestivo estão bem mais desenvolvidas e menos doloridas, então não há motivos para adiar o tratamento.

É possível adaptar seus hábitos e evitar a inflamação das hemorroidas, para que não seja necessário nenhum tratamento médico:

Tenha uma alimentação rica em fibras

A principal causa de inflamações nas hemorroidas é dificuldade para evacuar, que acontece com quem não tem uma alimentação rica em fibras. Por isso é importante, para regular o seu intestino, consumir fibras diariamente, presentes em alimentos como feijão, ameixa, linhaça e pães integrais.

Use o papel higiênico da maneira correta

Qualquer coisa que irrite a região anal deve ser evitada, como passar o papel higiênico muitas vezes. O ideal mesmo é lavar a região com água e sabão após evacuar, e usar o papel somente para secar a região.

Tome cuidado com o sexo anal

É mentira que o sexo anal causa a inflamação nas hemorroidas, mas é muito importante que seja feito com camisinha e lubrificante, já que o ânus é menos preparado para ser distendido.

Não exagere na academia

Diferente do que muitas pessoas pensam, o ciclismo ou o hipismo não têm uma relação direta com a inflamação das hemorroidas, mas o halterofilismo (levantamento de peso) em excesso sim, e deve ser praticado com cautela.

Se você já está sentindo algum dos sintomas da inflamação ou viu sangue ao evacuar, não perca tempo. Quanto antes for feito o diagnóstico, mais fácil é o tratamento. O IDigestivo, clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro>, tem proctologistas e cirurgiões profissionais para tratar dessa situação da forma mais confortável possível.

Efeitos do café na digestão

O eterno debate sobre os benefícios e prejuízos que a ingestão de café tem para o corpo humano é ouvido constantemente. A cada certo tempo, um novo estudo é divulgado com informações diferentes às que já eram conhecidas e fica difícil saber em que acreditar.

O café certamente é uma bebida que faz parte da rotina de muitas pessoas: no café da manhã, após o almoço ou de tarde, o povo brasileiro já tem a costume de consumi-la há gerações. Mas, afinal, ele faz bem ou mal à saúde? Especialistas já descobriram diversas vantagens que vão desde melhorar a memória até prevenir o câncer, mas um benefício que surpreende muitas pessoas é que o café também pode ajudar na digestão.

No mês de maio é comemorado o Dia Nacional do Café, logo, é a ocasião perfeita para falar sobre os efeitos que ele tem no nosso corpo e como ele influencia o processo da digestão.

O café e a digestão

Por muito tempo as palavras “café” e “boa digestão” não eram mencionadas na mesma frase, porém hoje os resultados de pesquisas apontam que elas são o par perfeito. O café facilita a passagem da comida desde o esôfago até o estômago e, ao chegar lá, estimula a secreção de sucos gástricos, o que melhora e agiliza a digestão. Isso significa que nosso organismo não vai precisar de tanta energia para realizar esse processo. Logo, aquela xícara de café após o almoço realmente faz diferença porque contribui para o bem-estar e a saúde do corpo.

A tão popular bebida tem também uma alta concentração de fibras dietéticas, as quais devem fazer parte da dieta de toda pessoa saudável, mas devem ser ingeridas especialmente por aquelas com problemas de constipação, já que são excelentes incentivadoras do movimento intestinal. As fibras são conhecidas também por ajudar na prevenção contra câncer intestinal.

Quem não deve tomar café

Embora a lista dos benefícios do café seja atrativa, nem sempre eles aplicam para todo mundo. Cada organismo é diferente, portanto cada um reage de forma distinta ao café. Para pessoas que padecem das doenças que veremos a seguir, o consumo dessa bebida não é recomendado por médicos porque pode causar efeitos negativos no corpo.

  • Gastrite
  • Hipertensão arterial
  • Sensibilidade à cafeína
  • Refluxo gastroesofágico

É importante lembrar que tomar café em excesso, como toda bebida, é prejudicial à saúde. Sempre consulte o seu médico para obter mais informações. No Instituto Digestivo, seu centro de gastroenterologia no Rio de Janeiro, temos uma equipe médica capaz de responder a todas suas dúvidas. Visite-nos!

O que é hemorroida?

Muitas vezes, as pessoas que sofrem com hemorroida ficam constrangidas pela área que é afetada (o ânus) e por isso têm medo de procurar ajuda. Mas não é preciso se preocupar, a hemorroida é mais comum do que se pensa. Gestantes e pessoas obesas ou com idade avançada são alguns dos grupos que são afetados normalmente, além daqueles com histórico familiar que apresente esse distúrbio. A hemorroida acontece quando é exercida muita pressão nas veias localizadas no ânus – elas se inflamam e dilatam, o que causa sangramento e dor.

Existem dois tipos de hemorroida:

  • interna – quando ocorrem dentro do reto;
  • externa – quando ocorrem no final do ânus, na abertura.

Como identificá-la?

A sensação de dor na região do ânus ao evacuar ou ao estar sentado e a presença de sangue no vaso ou no papel higiênico são os principais sintomas que podem indicar a hemorroida. Porém também existem diversos outros: irritação ou coceira, dificuldade na hora de evacuar, inchaço na área ao redor do reto ou ânus e presença de um líquido mucoso.

É importante ressaltar que as hemorroidas não podem se tornar em câncer, como acreditam muitas pessoas. Embora alguns sintomas sejam parecidos, como o sangramento, elas nunca viram tumores. Aqui entra a importância de ter um bom diagnóstico antes de tomar qualquer medida. No Instituto Digestivo, clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro, temos médicos capacitados para analisar seu caso e indicar o melhor tratamento.

Quais são os tratamentos?

Após o diagnóstico por parte do médico com a realização de um exame, o tratamento pode começar, o qual vai variar dependendo da gravidade do caso. Há o método mais conservador, que consiste na aplicação de pomadas e cremes na região, compressas ou remédios na forma de comprimidos. É recomendado não realizar atividades físicas durante o tempo do tratamento nem outro tipo de esforço, até ao defecar.

Por outro lado, quando o problema é maior, a cirurgia é o método mais adequado. Existem diversos procedimentos cirúrgicos que podem ser feitos, como a ligadura elástica, a mais comum e que apresenta melhores resultados entre os pacientes. Ela consiste em amarrar elásticos nas veias do ânus inflamadas a fim de parar a circulação de sangue. Em um período de dois a quatro dias, esses elásticos irão cair durante a evacuação.

Prevenção

Uma dieta rica em fibras é sempre recomendada para manter o processo da digestão em bom estado e facilitar a evacuação das fezes. As fibras estão presentes em alimentos como iogurte, nozes, frutas, grãos etc. Beber água constantemente também é importante para auxiliar esse processo. E, embora não pareça um fator significativo, ficar sentado no vaso por muito tempo é algo que pode resultar em hemorroida já que há pressão exercida nas veias.

O que é hérnia de hiato?

A hérnia de hiato é como uma bolsa que se forma no hiato entre o esôfago e o estômago. Esse hiato localiza-se no diafragma, e só deve permitir a passagem do esôfago para o estômago. A hérnia se forma quando acontece o contrário. O retorno ocorre porque o estômago não se fechou completamente e o alimento retorna ácido ao esôfago, causando a sensação de queimação.

Sintomas da hérnia de hiato

Os sintomas ligados à hérnia de hiato costumam aparecer por volta de meia hora após as refeições. Geralmente, estão relacionados diretamente ao refluxo identificado antes da hérnia de hiato. Os principais sintomas são:

  • Ânsia de vômito.
  • Arrotos frequentes.
  • Azia.
  • Queimação na garganta.
  • Sabor amargo.
  • Tosse seca.

Apesar dos sintomas, a única forma de confirmar a existência da hérnia de hiato é através de endoscopia ou de uma tomografia computadorizada.

Tratamento para hérnia de hiato

O tratamento é através de uma alimentação saudável e regular. O paciente será orientado a não ingerir bebidas alcoólicas e comidas com temperos muito fortes, e seguir uma dieta com alimentos pouco gordurosos a fim de facilitar o processo de digestão.

De todo modo, a alimentação deverá ocorrer de 3 em 3 horas, de forma leve, evitando deitar-se após comer ou beber líquidos durante as refeições. Seguir essas orientações pode ajudar a evitar a manifestação dos sintomas.

Em casos mais graves, quando a dieta não cessa os sintomas ou quando há o estrangulamento da hérnia, deverá ser realizada uma cirurgia, que é feita através da laparoscopia.

Conheça o Instituto Digestivo

O Instituto Digestivo, clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro, possui diversos profissionais que podem auxiliar em casos de hérnia de hiato ou outras questões relacionadas ao seu aparelho digestivo. Entre em contato conosco e agende uma consulta!

Principais causas da azia

Apesar de não ser uma doença, a azia é algo que incomoda, segundo a Organização Mundial de Saúde, cerca de 20 milhões de brasileiros. Quando é algo ocasional, ela pode ser facilmente tratada, com remédios práticos e sem prescrição médica. Mas quando ela se torna frequente, pode ser um sintoma de algo mais preocupante. Então, como ela acontece e de qual forma é possível resolver esse incômodo?

O que causa azia

A azia é aquela queimação ou ardência que se dá no esôfago e, às vezes, no estômago. Ela ocorre quando existe um refluxo de material ácido vindo do próprio estômago para a garganta ou o esôfago. Quando essa acidez é muito grande, ela também pode ser sentida pelo mesmo órgão de onde é gerada. Ela também pode gerar arrotos e gosto amargo ou ácido na boca.

Como diminuir a azia

Como foi dito acima, quando ela acontece com pouca ou quase nenhuma frequência, a azia pode ser tratada com medicamentos antiácidos. Existem também algumas dicas para aliviar os sintomas naturalmente, como, por exemplo, beber chá de hortelã, que também auxilia na digestão.

É importante deixar claro que uma pessoa que sente esse problema deve evitar certos tipos de alimentos, como café, pimenta, ketchup, mostarda, suco de laranja e de outros cítricos, além de refrigerantes e alimentos gordurosos. Também é necessário dar um tempo nas bebidas alcoólicas.

Azia na gravidez

O alto uso de medicamentos durante a gravidez também favorece o aparecimento de casos de azia. Por essa razão, além de evitar consumir os alimentos já citados, é recomendado que a gestante procure dormir de lado, principalmente sobre o lado esquerdo do corpo. É porque, desse lado, a gravidade age sobre o suco gástrico e evita que a queimação aconteça.

Azia pode ser sinal de doenças

Quando o incômodo se torna frequente, ela pode ser um indício de refluxo gastroesofágico, que é quando o estômago não consegue guardar todo o alimento ingerido e simplesmente o vaza para o esôfago. Isso é muito perigoso, pois como o suco gástrico contém líquidos ácidos demais para o esôfago, ele pode corroer o tecido do órgão.

Por essa razão, é necessário o acompanhamento constante de um médico especializado, como os que você encontra no Instituto Digestivo, clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro, para que a doença seja tratada logo no seu início. Fale conosco e agende sua consulta agora mesmo.

Complicações da Hepatite A

A transmissão da Hepatite A é ocasionada pela ingestão de alimentos ou água contaminados. Pessoas que residem em locais cujo saneamento básico não é de qualidade ou que não têm acesso à água potável (aumentando as chances de resíduos fecais no líquido) estão mais propensas a desenvolverem a doença. Além disso, o uso da água contaminada para lavar os alimentos também pode infectá-los, espalhando o problema de forma mais rápida, e aumentando as chances de transmissão da Hepatite A.

Fora o saneamento básico, a contaminação também pode ser gerada pela própria pessoa, se ela não realizar a higienização ideal logo após fazer as necessidades fisiológicas. Se o indivíduo manipula alimentos ou leva a mão à boca sem lavá-la adequadamente, as chances de contaminação se multiplicam.

Sintomas da Hepatite A

Os sintomas da Hepatite A demoram alguns dias para aparecer após a infecção. Vale ressalta que o período de incubação do vírus pode durar até quatro semanas. A doença em si costuma durar no máximo dois meses, incluindo os seguintes sinais:

  • Náuseas e vômito;
  • Fadiga;
  • Febre;
  • Perda de apetite;
  • Dor muscular;
  • Pele e olhos amarelados;
  • Desconforto abdominal.

Dificilmente a doença é agressiva. Quando é mais grave, é chamada de Hepatite A fulminante e pode levar a óbito. Na maioria das vezes os sintomas são leves. Também pode acontecer de o paciente não sentir nada e a doença passa despercebida.

Tratamento da Hepatite A

Não há um tratamento da Hepatite A especificamente, pois o próprio corpo vai ser responsável por combater o vírus. O médico irá diagnosticar e comprovar a doença através de um exame de sangue. O recomendando é que o paciente descanse, e evite o consumo de álcool e medicamentos para não afetar o fígado, uma vez que é o órgão mais prejudicado pelo vírus.

Para evitar as náuseas e enjoos causados pela Hepatite A, o ideal é fazer pequenos e leves lanches entre as principais refeições. A indicação de remédios pode ocorrer somente para controle de náuseas, febre e dores musculares que possam incomodar demais o paciente, mas só faça uso caso o médico indique.

Procure um especialista

Se você apresentar os sintomas descritos, procure o IDigestivo, instituto especializado em gastroenterologia no Rio de Janeiro e marque já sua consulta! Temos profissionais capacitados e prontos pra lhe auxiliar.

Alimentos ricos em nutrientes para melhorar sua dieta

Existem diversos alimentos ricos em nutrientes que podem melhorar e equilibrar sua dieta, porém, eles costumam sem muito esquecidos no cardápio. Adicioná-los no seu dia a dia pode fazer muito bem ao seu organismo, mas nem sempre nós sabemos quais podemos incluir nas refeições diárias. Quer entender melhor o assunto? Continue lendo nosso artigo e veja como se alimentar melhor!

Rabanete

O rabanete auxilia nas funções digestivas, limpa as vias respiratórias e é bom para seu sistema imunológico. Rico em cálcio, magnésio, potássio e fósforo, o consumo do legume pode trazer grandes benefícios à sua saúde.

Beterraba

Apesar de muitos não gostarem, o consumo de beterraba é bastante recomendado pois ela é uma ótima fonte de ferro, potássio, fósforo, zinco, vitamina A e entre outros nutrientes. Além disso tudo, a beterraba também tem fama de combater o cansaço.

Batata doce

Muitas vezes a batata doce é excluída da dieta por possuir mais calorias e carboidratos do que a batata comum mas, além dessa diferença, a batata doce é rica em fibras, potássio e vitamina A. Ainda possui baixo nível glicêmico, de modo que evita picos de insulina no organismo.

Acelga

Conhecida como couve-chinesa, a acelga é fonte de vitamina A, C e de fibras, protegendo seu fígado e regenerando as células do pâncreas, responsáveis pela produção de insulina, auxiliando no controle da diabetes.

Chicória

Além de possuir baixo valor calórico, a chicória propicia a absorção de minerais, é rica em vitaminas A, B, C, D e em sais minerais, promovendo o bom funcionamento intestinal e prevenindo o câncer.

Pitangas

Riquíssima em ferro, cálcio, fósforo, vitamina A e C, a pitanga possui grande poder antioxidante e fortalece os ossos. Previne diversos tipos de doenças, como câncer de próstata, pulmão e estômago.

Lentilha

Rica em proteína vegetal, fibras, ferro e vitaminas, a lentilha pode substituir o feijão no dia a dia. Auxilia na formação e no fortalecimento do corpo, protege o sistema cardiovascular e ainda é capaz de prevenir doenças como câncer e anemia.

Nabo

O vegetal é rico em vitamina C, cálcio e potássio, além de ser um grande aliado na prevenção do câncer. As folhas do nabo têm alto teor das vitaminas A, B e C. É vasodilatador, reduz a pressão sanguínea, e é excelente para o fortalecimento do sistema imunológico.

Consulte o Instituto Digestivo

Se está sentindo que sua alimentação tem lhe causado algum tipo de mal estar, procure um médico especializado para auxiliá-lo. O Instituto Digestivo, clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro, possui profissionais qualificados para atendê-lo. Marque sua consulta conosco!.

Como evitar enjoos na viagem

A maioria das pessoas gosta de cair na estrada durante o fim de semana ou um longo feriado, mas os enjoos na viagem são muito incômodose podem atrapalhar seu passeio. Você sabe qual a melhor maneira de lidar com essas náuseas? O blog do iDigestivo pode te ajudar!

Evite refrigerante e café

Apesar de muitas pessoas acharem que o refrigerante gera alívio para quem está passando mal, o efeito é somente temporário e pode acarretar em novos refluxos e enjoos. O café e refrigerantes à base de cola possuem cafeína, substância que tende a irritar a mucosa do sistema digestivo, facilitando os refluxos. Além disso, o gás de qualquer refrigerante promove uma distensão gástrica e levando ao incômodo.

Cuidado com sua alimentação

Evitar alimentos gordurosos e com cheiros ou temperos fortes é recomendável, pois comidas mais pesadas dificultam a digestão, causando irritação estomacal durante o processo mais demorado que o normal. Já os alimentos temperados com condimentos mais fortes ou com odores característicos podem provocar náuseas em algumas pessoas que tem o olfato mais sensível.

Em caso de vômito, a pessoa deve evitar comer qualquer tipo de alimento até que os sintomas passem, pois a ingestão pode irritar ainda mais o estômago. Após o enjoo passar completamente, o ideal é o consumo de líquidos e alimentos leves em pequenas quantidades, para que o processo de digestão seja tranquilo.

Ingestão de líquidos

Como informado anteriormente, o ideal é aguardar a sensação de vômito passar para ingerir qualquer coisa. Ao se sentir confiante de que o enjoo passou por completo, beba água em pequenas quantidades. Como muitas pessoas ficam incomodadas com o gosto que pode ficar na boca por causa do vômito, sugere-se o consumo de água de coco ou sucos de frutas que não são ácidas.

O consumo de chás também é recomendado, mas evite os que possuem cafeína em sua composição. Chás como de hortelã, gengibre e erva doce devem ser os escolhidos, pois são ricos em propriedades que desintoxicam o estômago. O chá de boldo é popularmente conhecido, mas ele não oferece nenhuma ação contra as náuseas, somente auxilia na digestão, portanto,tomá-lo com a intenção de controlar o mal-estar só irá proporcionar uma azia daquelas.

O mal persiste? Procure um especialista

Se sente um mal-estar e enjoos na viagem frequentemente, procure ajuda para cuidar do seu sistema digestivo. No IDigestivo, instituto especializado em gastroenterologia no Rio de Janeiro, você pode encontrar os melhores profissionais para lhe auxiliar. Marque já uma consulta!

Como evitar a má digestão

A maioria dos casos de má digestão é causada por alimentos que geram mal-estar e a temida azia. Apesar da alimentação ser a maior causadora desse incômodo, os problemas estomacais também podem ser indicados como um motivo. Para evitar que esse inconveniente te pegue, ou ao menos para diminuir a frequência dele, separamos algumas dicas:

Evite alimentos gordurosos

Se a sua alimentação for rica em gordura, seu organismo será prejudicado, e logo você sentirá desconforto e reclamações mais frequentes do seu estômago. Opte por alimentos mais fáceis de digerir, como carnes, leite, frutas e legumes, mas evite consumir com frequência óleos, creme de leite, manteiga, frituras e outros alimentos considerados gordurosos.

Consuma chás

Chá verde, de alecrim e de hortelã ativam enzimas digestivas, portanto são bem eficazes na prevenção da má digestão. O ideal é beber o chá 15 minutos antes da refeição, sem açúcar ou apenas com algum adoçante natural, que o processo digestivo será facilitado.

Evite excesso de líquidos

O consumo exagerado de líquidos durante a refeição faz com que o estômago inche e tenha que suportar o peso da quantidade de comida somado ao liquido. Excessos distendem o estomago e causam desconforto.

Cuidado com o estresse emocional

Em situações de estresse ou nervosismo, o estômago é afetado e você pode sentir dor, inflamação, indigestão e gases. O ideal é tentar evitar situações grandemente estressantes.

Não comer antes de dormir

Procure comer três horas antes de dormir e, mesmo assim, privilegie os alimentos leves e de fácil digestão, pois após se deitarmos, o corpo costuma relaxar, passando a funcionar de forma mais lenta, e estendendo a digestão.

Mastigue bem

Parece besteira, mas mastigar bem os alimentos é essencial, já que a digestão se inicia na mastigação, onde as enzimas começam a atuar. Além disso, comer devagar evita que você engula muito ar durante a mastigação, prevenindo o inchaço estomacal.

Má digestão? Procure a iDigestivo

Se você tem episódios frequentes de má digestão, procure o IDigestivo, instituto especializado em gastroenterologia no Rio de Janeiro e marque já sua consulta!