Como evitar enjoos na viagem

A maioria das pessoas gosta de cair na estrada durante o fim de semana ou um longo feriado, mas os enjoos na viagem são muito incômodose podem atrapalhar seu passeio. Você sabe qual a melhor maneira de lidar com essas náuseas? O blog do iDigestivo pode te ajudar!

Evite refrigerante e café

Apesar de muitas pessoas acharem que o refrigerante gera alívio para quem está passando mal, o efeito é somente temporário e pode acarretar em novos refluxos e enjoos. O café e refrigerantes à base de cola possuem cafeína, substância que tende a irritar a mucosa do sistema digestivo, facilitando os refluxos. Além disso, o gás de qualquer refrigerante promove uma distensão gástrica e levando ao incômodo.

Cuidado com sua alimentação

Evitar alimentos gordurosos e com cheiros ou temperos fortes é recomendável, pois comidas mais pesadas dificultam a digestão, causando irritação estomacal durante o processo mais demorado que o normal. Já os alimentos temperados com condimentos mais fortes ou com odores característicos podem provocar náuseas em algumas pessoas que tem o olfato mais sensível.

Em caso de vômito, a pessoa deve evitar comer qualquer tipo de alimento até que os sintomas passem, pois a ingestão pode irritar ainda mais o estômago. Após o enjoo passar completamente, o ideal é o consumo de líquidos e alimentos leves em pequenas quantidades, para que o processo de digestão seja tranquilo.

Ingestão de líquidos

Como informado anteriormente, o ideal é aguardar a sensação de vômito passar para ingerir qualquer coisa. Ao se sentir confiante de que o enjoo passou por completo, beba água em pequenas quantidades. Como muitas pessoas ficam incomodadas com o gosto que pode ficar na boca por causa do vômito, sugere-se o consumo de água de coco ou sucos de frutas que não são ácidas.

O consumo de chás também é recomendado, mas evite os que possuem cafeína em sua composição. Chás como de hortelã, gengibre e erva doce devem ser os escolhidos, pois são ricos em propriedades que desintoxicam o estômago. O chá de boldo é popularmente conhecido, mas ele não oferece nenhuma ação contra as náuseas, somente auxilia na digestão, portanto,tomá-lo com a intenção de controlar o mal-estar só irá proporcionar uma azia daquelas.

O mal persiste? Procure um especialista

Se sente um mal-estar e enjoos na viagem frequentemente, procure ajuda para cuidar do seu sistema digestivo. No IDigestivo, instituto especializado em gastroenterologia no Rio de Janeiro, você pode encontrar os melhores profissionais para lhe auxiliar. Marque já uma consulta!

Mitos e verdades sobre a gastrite

A gastrite é uma conhecida inflamação no estômago que acomete milhares de brasileiros. Alguns pacientes chegam a passar anos se dedicando ao tratamento da doença − nesses casos, é chamada de gastrite crônica −, e outros conseguem tratá-la em poucos meses − em casos de gastrite aguda. Apesar de famosa, existem muitos mitos relacionados à gastrite que podem ser tão prejudiciais para a cura quanto a própria infecção.
Confira os principais mitos e também verdades que vão esclarecer e ajudar no combate à doença:

Pessoas mais velhas têm mais risco de desenvolver gastrite

VERDADE – Com o passar do tempo, as paredes do estômago tendem a ficar mais flácidas, e consequentemente, sua capacidade de proteger o órgão das substâncias ácidas é reduzida. Por isso, em casos de surgimento de sintomas relacionados à gastrite, a conversa com o gastroenterologista é indispensável, além de fazer os exames corretos, como a endoscopia digestiva alta.

Gastrite é hereditária

MITO – Essa explicação como causa da gastrite não é verdadeira. Na maioria dos casos, a inflamação no estômago acontece devido à infecção por bactérias ou agentes que irritam a parede do estômago, como, por exemplo, o alto consumo de alimentos ácidos.

Basta trocar o café normal pelo descafeinado

MITO – Para tratar a gastrite, muitos alimentos são eliminados ou reduzidos da dieta, e o café é um deles. Mas a substituição do café normal pelo descafeinado pode ser uma pegadinha para quem está passando pelo tratamento da doença. Mesmo que o café tenha a cafeína reduzida, ele precisa ser consumido com muita moderação por pessoas que sofrem com gastrite, úlcera e refluxo gastroesofágico, pois também interfere na acidez do estômago.

Remédios não causam gastrite

MITO – Tanto o hábito da má alimentação quanto o consumo de alguns anti-inflamatórios estão entre as causas da gastrite. O uso prolongado desses remédios, como aspirina e ibuprofeno, em contato com substâncias presentes na mucosa do estômago pode causar inflamação, e na pior das hipóteses, até úlcera.

Chiclete causa gastrite

MITO – Esse é um mitos que mais ronda as informações sobre a gastrite. E mesmo que mascar chiclete não seja um hábito dos mais saudáveis e esteja relacionado a problemas de consumo de açúcar, ele não é responsável pelo surgimento de inflamações no estômago.

Falta de saneamento básico está relacionada a gastrite

VERDADE – Segundo a Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG), uma das causas da gastrite crônica não erosiva é a infecção pela bactéria Helicobacter pylori, que pode ser encontrada com frequência em áreas sem saneamento, e é transmitida por meio de água ou alimentos contaminados. Por isso, é extremamente importante lavar bem os alimentos antes do consumo. Os dados confirmam: em países industrializados, as taxas de infecção pela bactéria são mais altas em locais onde o saneamento é negligenciado, como nos EUA, em que 20 a 50% da população pode ser infectada por esse motivo. Esses índices são maiores em países em desenvolvimento, como é o caso do Brasil, onde a taxa chega a 70%

Mande sua dúvida sobre os mitos e verdades da gastrite

Quando o assunto é saúde, é necessário todo esclarecimento possível. Se você tem alguma dúvida sobre a gastrite ou outras doenças relacionadas ao aparelho digestivo, fale com o IDigestivo, instituto especializado em Gastroenterologia no Rio de Janeiro.

Aveia: o cereal que precisa fazer parte da sua dieta

Conhecida aliada de quem busca uma dieta saudável, a aveia é um cereal de alto valor nutricional. Rica em fibras, vitaminas (sobretudo dos grupos B e E), carboidratos, proteínas e minerais como ferro, zinco e selênio, é considerada um alimento funcional, pois além de contribuir com o bom funcionamento do organismo, também atua na prevenção de uma série de doenças, principalmente se ingerida todos os dias. Abaixo, listamos os motivos pelos quais o consumo de aveia deve fazer parte do seu dia a dia.

Benefícios do consumo de aveia

Entre os inúmeros benefícios da ingestão do cereal, destacam-se:

Aumenta a sensação de saciedade

Os carboidratos da aveia são considerados carboidratos complexos, pois são compostos de fibras cuja absorção é bastante demorada. Assim, seu consumo é indicado para quem quer emagrecer, pois diminui a fome e, consequentemente, a ingestão calórica tende a ser menor.

Controla os níveis de glicose no sangue

Por serem absorvidas de maneira lenta, as fibras da aveia prolongam a sensação de saciedade, o que faz com que o organismo entenda que não há necessidade de liberar mais glicose.

Facilita a digestão

As fibras presentes em grande quantidade neste cereal, ao entrarem em contato com a água no organismo, formam um gel que contribui para o bom funcionamento do trânsito intestinal. Além disso, estimulam o desenvolvimento da microbiota intestinal, contribuindo para a proliferação de bactérias benéficas ao sistema digestivo.

Reduz o colesterol

O consumo de aveia dificulta a absorção de diversos tipos de gordura pelo organismo, sobretudo as gorduras trans e saturadas, evitando assim que elas se transformem em colesterol ruim (LDL). Além de regular a produção desse tipo de colesterol, ela ainda auxilia na sua eliminação.

Qual a diferença entre aveia em flocos, farinha ou farelo?

A aveia pode ser consumida tanto em flocos integrais, quanto na forma de farinha ou ainda de farelo. Na forma de flocos, são preservados todos os nutrientes acima citados, pois corresponde à trituração do grão completo. O farelo, por sua vez, é feito da parte externa do grão, preservando as fibras do alimento. Já a farinha é obtida por meio da moagem da parte interna do grão de aveia, descartando, assim, as fibras, mas ainda mantendo grandes quantidades de outros nutrientes.

Formas de incluir a aveia no seu dia a dia

Por ser um alimento altamente versátil, a aveia pode ser consumida em diferentes momentos do dia. Na forma de farinha, pode ser usada em substituição à tradicional farinha de trigo na preparação de bolos, pães e biscoitos. Já o farelo ou a aveia em flocos podem ser adicionados diretamente a porções de frutas, vitaminas, iogurte ou leite.

Contraindicações

Apesar de possuir tantos benefícios, a aveia deve ser evitada por quem possui intolerância ao glúten, uma proteína que pode ser encontrada na aveia por contaminação do trigo (já que, usualmente, estes cereais são processados para consumo nos mesmos equipamentos).

Também pode ser prejudicial a quem tem a síndrome do intestino irritado, pois quem sofre deste mal deve priorizar alimentos de fácil digestão. Por fim, não é recomendada para crianças com menos de seis meses, visto que nessa idade o aparelho digestivo ainda não está preparado para digerir as fibras de forma eficiente.

Conheça o Instituto Digestivo, clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro

Além dos casos citados acima, é importante lembrar que a aveia, como qualquer outro alimento, pode ser nociva se consumida em excesso. Em caso de dúvida ou para obter mais informações, procure sempre um médico especializado. No Instituto Digestivo, clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro você encontra uma equipe formada por profissionais altamente qualificados para atendê-lo. Marque sua consulta agora mesmo! Estamos em Copacabana e no Rio Comprido.

Conheça os benefícios da berinjela

Todo mundo sabe (ou deveria saber) que a boa alimentação com inclusão de frutas, legumes e alimentos integrais é essencial para o bom funcionamento do organismo. Para ter uma alimentação mais saudável e nutritiva você pode optar por inserir a berinjela no seu cardápio, pois a leguminosa apresenta diversos benefícios à saúde. Saiba mais!

Benefícios da berinjela

A berinjela é um vegetal com baixo teor calórico e fonte de diversos nutrientes como vitamina C, vitamina K, minerais (manganês, fósforo, cálcio, ferro, magnésio, cobre e potássio) e vitaminas do complexo B (B1, B3, B5 e B6). Ou seja, é um alimento repleto de benefícios para a saúde.

Contribui para a saúde do coração

A berinjela não contém colesterol e nem gordura saturada, tornando-se um ótimo oxidante que ajuda a reduzir o nível de colesterol LDL.

Ajuda no bom funcionamento do intestino

Por ser um alimento rico em fibras, a berinjela pode ajudar na digestão. As toxinas serão eliminadas de forma mais eficaz, fazendo a limpeza do trato intestinal.

Possui baixas calorias

A berinjela é um alimento com baixo teor calórico e alta presença de fibras alimentares, que promovem saciedade e, consequentemente, auxiliam na perda de peso.

Deixa a pele mais bonita

Como já dissemos anteriormente, a berinjela é rica em vitamina C, um dos principais nutrientes com poder antioxidante e que previnem o envelhecimento precoce da pele.

Formas de consumo da berinjela

A berinjela pode ser consumida de várias maneiras: cozida, assada, crua em saladas e até mesmo frita. O Ratatouille, por exemplo, é um prato típico francês feito à base de berinjelas.

Os alimentos que contêm fibras auxiliam no sistema digestivo, porém, a qualquer sinal de dor ou problemas na região, é necessário o atendimento médico. Nesses casos, procure uma clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro, como o IDigestivo, ou uma emergência em hospitais.

Conheça as três partes do intestino delgado

Intestino delgado

O intestino delgado é a parte do tubo digestivo que mede em torno de 4 a 7 centímetros, e que vai do estômago até o intestino grosso. É nele que acontecem as absorções dos nutrientes e da água através de células epiteliais. O intestino delgado é dividido em três partes: duodeno, jejuno e íleo. Conheça as características principais de cada uma delas.

Duodeno

O duodeno é a menor parte do intestino delgado, com cerca de 25 cm que vão do piloro (um esfíncter localizado na parte inferior do estômago) ao jejuno. É nesta região que desembocam os ductos que levam a bile e o suco pancreático. Neste caminho as gorduras também são emulsificadas e as enzimas degradam peptídeos, polissacarídeos e triglicerídeos. No duodeno também são encontradas algumas glândulas denominadas de glândulas de Brunner ou duodenais, que produzem uma secreção capaz de diminuir a acidez do quimo e ajudam na ação das enzimas presentes no suco pancreático.

Jejuno

O jejuno fica logo após o duodeno, e junto com o íleo forma um tubo de aproximadamente 9 metros. Esta região é responsável pela absorção de carboidratos e aminoácidos digeridos parcialmente pelo estômago e pelo duodeno. O jejuno quase não apresenta as glândulas de Brunner. Tem cerca de 4 cm, e a sua parede é espessa e mais vascular.

Íleo

O íleo começa no jejuno e termina quando se esvazia no intestino grosso. Apresenta, em média, de 1 a 1,5 metro de comprimento. Possui uma vasta quantidade de vasos e gânglios linfáticos, e as glândulas de Brunner também não se fazem presentes nele.

A saúde intestinal compreende uma boa digestão, absorção e assimilação dos alimentos, e eliminação do que não é aproveitado pelo organismo. A má formação desse processo pode encadear diversos problemas e desconfortos. Se você sente algum tipo de desconforto, distensão abdominal, constipação ou diarreia, azia ou queimação, procure uma clínica especialista, como o IDigestivo clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro e marque uma consulta.

Alimentos para melhorar o trânsito intestinal

Quem sofre com problemas no trânsito intestinal conhece bem alguns sintomas como sensação de inchaço e barriga estufada, mau humor, falta de disposição, unhas quebradiças, entre outros. A constipação intestinal é um problema que gera desconforto e pode afetar a saúde se não for tratada adequadamente.

O que é prisão de ventre?

A prisão de ventre, também conhecida como constipação intestinal ou intestino preso, é um problema caracterizado por menos de três evacuações por semana, muito esforço no momento da evacuação, pouco volume e fezes endurecidas. O problema, que acomete em sua maioria mulheres, está ligado diretamente à alimentação. A maioria das pessoas que sofre com o problema apresenta sintomas como cansaço, mau humor, falta de concentração e sensação de empanzinamento. A constipação pode significar problemas sérios de saúde, e por isso, é necessária uma avaliação médica para solucionar o problema.

Alimentos que ajudam a melhor o trânsito intestinal

Conheça alguns alimentos que ajudam na digestão, e consequentemente, liberam o trânsito intestinal.

Batata-doce

O alimento queridinho dos esportistas é um ótimo aliado para quem sofre com prisão de ventre, pois contém 3,8 gramas de fibra concentradas, em sua maioria, na casca. Seja feita a vapor, cozida ou assada, prefira consumir a batata-doce com a casca.

Pipoca

Difícil encontrar alguém que não goste de pipoca, né? Além de ser uma opção de lanche saudável, ainda possui cerca de 3,5 gramas de fibras. Prefira as versões sem gordura.

Ameixa

A fruta é uma das mais conhecidas por aliviar a prisão de ventre. Isso porque possui altas quantidades de fibras. Além disso, ela contém sorbitol, uma substância com efeito de absorver mais água no organismo e acelerar o trânsito intestinal.

Linhaça

Essa poderosa semente auxilia no bom funcionamento do intestino, pois é rica em fibras solúveis e insolúveis, ajudando na produção do volume do bolo fecal e consequentemente, aumentando o trânsito intestinal. Aposte no consumo em frutas, iogurtes e saladas.

Aveia

O alimento contém vitaminas, proteínas e sais minerais, além de ser rico em fibras solúveis que, em contato com a água, transformam-se em uma goma capaz de facilitar o trânsito intestinal.

Mamão

A fruta é rica em fibras, sais minerais e enzimas que auxiliam na digestão e na produção do bolo fecal. O indicado é consumir de meia a uma unidade por dia.

Conheça o Instituto Digestivo, clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro

A constipação intestinal, em alguns casos, é funcional e associada à alimentação pobre em fibras, comportamento retentivo (prender as fezes), ou até mesmo questões psicológicas. É recomendada a consulta com um especialista que irá avaliar o paciente e indicar o tratamento mais eficaz.

Conheça o IDigestivo, sua clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro, e agende uma consulta com nossos especialistas.

O que é apendicite?

O apêndice é uma bolsa que fica localizada no início do intestino grosso, numa região chamada de ceco e não tem função definida no organismo. A apendicite é uma inflamação nesta bolsa capaz de provocar dores abdominais incapacitantes e que precisa ser tratada, já que é possível se tornar algo grave quando não tratado.
O processo, seja qual a sua natureza, se dá pela obstrução do apêndice, a presença de bactérias no local causa a infecção. Essa infecção causa inflamação e inchaço do apêndice que, quando não tratado, pode se romper, o chamado apêndice supurado, que é extremamente grave e pode levar o indivíduo a óbito.

Quem pode ter apendicite?

A apendicite não tem uma origem ou ainda fatores comprovadamente de riscos para que seja indicada uma prevenção. Entretanto, é mais comum aparecimentos do problema em pessoas da faixa etária que compreende dos 10 aos 30 anos de idade.

Quais os sintomas da apendicite?

Conforme já falado, a apendicite tem como principal sintoma dores agudas no abdômen. A dor mais comum é em volta do umbigo e pode ser moderada. Vai se tornando grave e pode aumentar. Ainda é possível ter ocorrência de vômitos e febres baixas, já que se trata de uma infecção. Após algumas horas, é possível ter a evolução da dor localizando abaixo do local de origem e mais para o lado direito.

Em caso de apêndice supurado…

Caso haja o rompimento desse órgão, é até comum que a dor se esvazie por alguns tempos, porém a gravidade aumentará ao passo que a infecção tomar conta da cavidade abdominal, se tornando uma peritonite, e trará riscos vida do indivíduo acometido.

Ao menor sinal de dor, procure um médico

A apendicite quando tratada de imediato é rapidamente revertida e o paciente se recupera bem. Deixar para a última hora pode se tornar um problema grave. Procure uma clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro, como a I Digestivo ou uma emergência que tenha um corpo médico capaz e preparado para diagnósticos precisos e eficientes.

O que é colostomia?

Em algum momento da vida, você já deve ter se deparado com alguma pessoa que tenha passado por esta situação: a colostomia. Ela é o desvio do caminho do intestino grosso, configurando a exteriorização pelo abdômen (estoma) para a eliminação de fezes. Tal situação se apresenta quando não é possível usar o ânus para a passagem das fezes. É muito comum em pessoas com algum tipo de obstrução ou com câncer de intestino ou reto.
O colostomizado usa uma bolsa plástica que fica junto à pele de modo que esta coleta as fezes que são projetadas para fora do corpo. Com a colostomia, o paciente perde o controle sobre este momento, sendo necessária o cuidado correto do local, com troca da bolsa de modo a comportar essas fezes.

Como é feito o procedimento

Para a realização da colostomia, o paciente deverá estar sob internação hospitalar, sendo o procedimento cirúrgico feito com anestesia geral. Assim, o médico responsável realiza a incisão no abdômen desviando o trânsito intestinal. Uma das questões em relação ao procedimento é inerente às complicações sociais.

Entretanto, com a evolução, hoje existem filtros de odores que amenizam o cheiro das fezes e gases que são projetados no local. Para a realização de qualquer procedimento, busque a orientação médica. A iDigestivo, clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro, tem profissionais estomaterapeutas e estrutura para dar ao paciente todo o conforto necessários! Marque sua consulta!

O que é diverticulite?

Para entender o que é diverticulite, começamos explicando que divertículo é uma bolsa anormal da parede interna do intestino e, pelo sufixo “ite” temos uma inflamação. Portanto, diverticulite é um processo de inflamação dessas bolsas de tamanho relativamente pequeno que surgem nesta parede interna. Apesar de poder ser um problema capaz de afetar o órgão inteiro, é bem mais comum o seu aparecimento à esquerda no intestino grosso. É possível ter a presença de divertículos no esôfago, estômago e intestino delgado.
É uma doença do adulto e do idoso após os 60 anos, é comum a diverticulose, que é a presença dos divertículos no trato digestivo, principalmente no cólon. É importante ressaltar que a diverticulose a diverticulite na maioria das vezes é assintomática.

O que causa a diverticulite?

Apesar de não haver um fator predisponente a ser colocado como causador da inflamação, uma das causas da diverticulite é uma dieta pobre em fibras, o que causa o endurecimento das fezes e subsequente constipação.

São fatores de risco

  • Ter mais de 40 anos de idade e ter, conforme já explicitado, uma dieta rica em alimentos refinados, com presença de farinha branca, doces, biscoitos e outros muitos alimentos que não tenham as fibras como essência.
  • A obesidade é fator de risco para inúmeras doenças, para esta não é diferente.
  • Da mesma forma que a obesidade compromete diversas partes do corpo, o tabagismo é um dos fatores de risco para a diverticulite

Quais os riscos da diverticulite

Como qualquer infecção, esta deve ser contida. Na sua manifestação mais leve, é comum que os sintomas causem desconforto, principalmente no lado esquerdo, associado à febre. Mas, em sua versão mais grave, há possibilidades de peritonite, que é a inflamação da cavidade abdominal por inteira e de sepse, que é a popular infecção generalizada, que, eventualmente, pode levar o paciente à morte.

Sintomas da doença

  • Sensibilidade na lateral esquerda inferior do abdômen.
  • Febre e dores variáveis
  • Indisposição geral, inclusive com perda de apetite e presença de calafrios
  • Inchaço abdominal
  • Vômitos

Como é feito o tratamento da diverticulite?

Nas fases mais leves da doença, o tratamento pode ser domiciliar, seguindo rigidamente o que foi prescrito pelo médico. Entretanto, é muito possível que a doença exija em alguns casos internação hospitalar para um acompanhamento minucioso do paciente, a fim de seguir os passos para a cura. Pacientes com riscos de periontite e obstrução intestinal necessitam internação e, em muitos casos, intervenção cirúrgica para que seja corrigida o problema.
Para tais casos, a resseção intestinal e a posterior colostomia são eventos comuns. A colostomia é o desvio do intestino para fora do caminho convencional, normalmente ficando à lateral esquerda do abdômen do paciente, que passa a carregar uma bolsa para o armazenamento das fezes. Ainda há, nos casos de cirurgia, a possibilidade de costura primária que evita a colostomia, mas também exige limitações ao paciente.
A I Digestivo, sua clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro, faz uma avaliação completa do paciente para que não haja dúvidas quanto aos sintomas e suas necessidades de tratamento.

A importância das fibras para o funcionamento do sistema digestivo

As fibras são um forte armamento contra diversas doenças. No sistema digestivo, elas são fundamentais para a correta absorção de nutrientes. Além deste papel, as fibras compõem uma verdadeira artilharia contra doenças que atrapalham a vida das pessoas, como:

  • prisão de ventre;
  • diverticulite;
  • Síndrome do Intestino Irritável;
  • câncer de cólon.
  • colesterol alto.
  • diabetes.

Além de ajudar a combater tais problemas, ela ajuda a melhorar o perfil lipídico reduzindo o colesterol. É importante lembrar que a maior parte da absorção dos nutrientes ocorre no intestino delgado, sendo as fibras importantes para ajudar em todo o processo, que demora entre 3 e 10 horas para ser completado.

Onde encontro fibras para ingestão?

Por mais que seja um tema recorrente e amplamente debatido, muitas pessoas simplesmente desconhecem a origem das fibras. Elas vêm de alimentos naturais, que não são digeridos ou são parcialmente digeridos, como vegetais e frutas, hortaliças e cereais. Para tê-las no seu dia a dia, procure ingerir alimentos, como alface, agrião, couve, couve-flor, feijões, vagens, trigo, aveia, arroz, ameixas, laranjas (com bagaço) e outros, muitos outros alimentos.

O que as fibras proporcionam no corpo?

Além de proporcionarem tudo que já falamos, elas produzem sensação de saciedade, ou seja, quem mantém uma dieta rica em fibras tem a saciedade mais prolongada a cada refeição, já que a sensação é de ter comido o suficiente por mais tempo. Isso implica diretamente no emagrecimento, pois, além de serem pobres em calorias, ajudam a evitar o desejo pela ingestão de alimentos calóricos. São necessários de 25 a 30 gramas de fibra por dia para que haja os benefícios citados

Evite transtornos no seu dia a dia com as fibras

Conforme já falado, a prisão de ventre é um dos problemas solucionadas ou ao menos atenuados pelas fibras. Essa situação é incômoda para muitas pessoas que procuram alguma clínica de gastroenterologia no Rio de Janeiro para livrar-se desses incômodos que privam a qualidade de vida e são combatidos em muitos casos sem o devido cuidado, como o uso inadvertido e não prescrito de laxantes de diversas naturezas. Além de comprometer o sistema digestivo, tornando-o ainda mais enfraquecido, algumas substâncias não devem ser ingeridas sem orientação médica. Não passe por esta situação. Marque uma consulta hoje mesmo!